O que eu aprendi ao ler o livro:

Índice em Good Calories, Bad Calories

Prologo: Uma Breve História Sobre Dieta

William Banting foi um homem que tentou perder peso de diversas maneiras, inclusive com atividades físicas. Mas seu peso não diminuia. Ele foi aconselhado a tentar uma dieta em sua maioria de carne e frutas, evitando pão, doces, cerveja e batatas. Essa dieta fez com que ele perdesse peso e melhorasse sua saúde física. Ele então publicou um livreto para ajudar aqueles que sofriam do mesmo mal que ele. Na época, seu livro foi traduzido em diversos idiomas, gerou debates internacionais e seu nome virou sinônimo de dieta nos Estados Unidos (dando origem ao verbo “to bant”). Pode-se encontrar o livro de William Banting traduzido em Carta sobre a Corpulência (Letter on Corpulence) e Carta sobre a Corpulência – Corpulência.

Por mais de 100 anos, médicos recomendavam dietas para emagrecer, onde era necessário diminuir carboidratos e comer carne como o principal da alimentação. As causas da obesidade eram pão, massas, arroz, batatas e açúcar. Era senso comum que uma dieta para emagrecer envolvia diminuir carboidratos.

Até que na década de 70/80 a gordura foi identificada como a causa de doenças do coração. Passaram, então, a sugerir dietas com pouca gordura como prevenção dessas doenças e ao mesmo tempo recomendaram a dieta com pouca gordura para perda de peso, mesmo que uma dieta com pouca gordura seja rica em carboidratos que eram considerados como a causa da obesidade. Uma dieta saudável passou a ser sinônimo de pouca gordura.

A razão do livro Good Calories, Bad Calories é mostrar que apesar da fé que existe em torno de gordura saturada ser o mal nutricional de nossas vidas e de que a obesidade é causada por sedentarismo e excesso de comida, existe forte evidência para sugerir que esses pressupostos estão incorretos.

Por mais que órgãos do governo atestem que gordura é o grande vilão, existem muitos livros escritos por médicos que mostram uma outra hipótese, que carboidratos são os vilões e que se comermos menos deles, pesaremos menos e viveremos mais.

Existe uma outra hipótese para explicar a causa de doenças do coração, diabetes, câncer de mama, cáries e dúzias de outras doenças crônicas, como obesidade. Uma hipótese baseada na observação de populações isoladas onde essas “doenças da civilização” eram raras ou inexistentes. Essas doenças começaram a aparecer nessas populações após a entrada de comidas ocidentalizadas, como açúcar, farinha, arroz branco e talvez cerveja. Comidas essas, conhecidas como carboidratos refinados, que contem amido e açúcares processados por máquinas para que sejam mais facilmente digeríveis.

No início da década de 70 procurava-se saber o que causava problemas do coração e outras doenças crônicas. Para explicar essas doenças existia a hipótese dos carboidratos refinados e a hipótese da gordura alimentar. Ao longo do livro serão discutidas essas hipóteses e será mostrado como uma dessas hipóteses, através de especulações, suposições e interpretações errôneas das evidências, se tornou verdade através de constantes repetições.

Piramide_Carboidrato

Piramide_Carne