Zen Pencils 204. Marie Curie: Nosso lugar feliz


Com o meu casamento, começou para mim uma nova existência completamente diferente da vida solitária que eu conheci durante os anos anteriores.
Meu marido e eu éramos tão próximos devido à nossos sentimentos e trabalho em comum que passávamos praticamente todo nosso tempo juntos.
Nós descobrimos a existência dos notáveis novos elementos…
Po polônio
Ra rádio
mas foi primordialmente pela propriedade radioativas que essas novas substâncias se distinguiam do bismuto e do bário, com os quais eles estavam misturados em quantidades diminutas.
Nós ainda precisávamos separá-los em elementos puros.
Nós não tínhamos dinheiro, laboratório adequado, nem assistentes para nossa grandiosa e difícil tarefa.
O departamento de física não poderia nos prover com ambiente adequado, e na falta de algo melhor…
… O diretor permitiu que usássemos um galpão abandonado o qual fora usado como local de dissecação do departamento de medicina.
O seu teto de vidro não permitia uma proteção completa contra a chuva…
… O calor era sufocante no verão e o frio penetrante do inverno apenas era um pouco aliviado pelo forno metálico.
Não havia maneira de obter os necessários e apropriados aparelhos comumente usados pelos químicos.
Nós tínhamos simplesmente velhas mesas de madeira, fornaça e fogareiro.
Nós usávamos o terreno ao lado para as operações químicas que resultassem em gases que causassem irritações.
Mesmo assim, o gás preenchia o nosso galpão.
Ainda assim, foi neste velho galpão miserável que passamos os melhores e mais felizes anos de nossas vidas, devotando todos dias ao nosso trabalho.
Frequentemente eu preparava nosso almoço no galpão para não interromper alguma operação especialmente importante.
Algumas vezes eu passavao dia inteiro misturando uma massa fervente com uma vara de metal pesada quase do meu tamanho.
Eu terminava o dia completamente quebrada.
Em outros dias, ao contrário, seria o trabalho diminuto e delicado da cristalização fracionada, em um esforço para concentrar o radium.
Eu era então incomodada pela nuvem de pó de ferro e carvão, da qual eu não conseguia proteger meus preciosos produtos.
Mas eu nunca vou conseguir expressar a alegria da quietude sem problemas da atmosfera de pesquisa…
… E a excitação de progresso real com a esperança confiante de ainda melhores resultados.
Uma de nossas alegrias era ir ao local de trabalho à noite.
Nós então percebíamos em todas laterais as silhuetas fracamente luminosas das garrafas ou capsulas com nossos produtos.
Era realmente um visão linda e sempre nova para nós.
Os tubos radiantes lembravam as luzes tênues do natal.

Texto © Marie Curie
Arte © Gavin Aung Than
Tradução © Uninuni.com

Confira as outras ilustrações do Zen Pencils.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *